sexta-feira, 29 de maio de 2009

ESCRIBAS




Há duas coisas na vida dos escritores, como nós, que eu repudio. Uma, é que a maioria das pessoas que não são como nós, se esquece que, antes de sermos inventores de estória e bisbilhoteiros da vida alheia, somos gente.


A outra, é que também essa maioria, não compreende e não admite que, alguém que escreve sobre dor, perda, frustração, derrota - e, ainda - êxtase, conquista, prazer e vitória, possui sangue correndo em suas veias, é sensível, como todo e qualquer ser humano. Portanto, sujeito a emoções. Chora, mesmo que às escondidas. Mente a si mesmo e aos outros para conseguir respirar de novo, levantar os olhos do chão, seguir adiante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário