domingo, 17 de maio de 2009

A PRAÇA AINDA PULSA

Poderia ser o cartão postal de Rio Claro. Mas não é. A beleza das árvores enormes e frondosas, as folhagens e plantas ornamentais, e os monumentos históricos são ofuscados pela marginalidade e a insegurança que desta resulta. Comenta-se sobre a possibilidade da colocação de grades em torno da Praça XV de Novembro, mais conhecido como Jardim Público. Talvez seja um paliativo, mas, certamente, não é a solução. E qual a solução? É ocupar o Jardim Público, com atividades sócio-culturais e artísticas, de modo a torná-lo agradável e atraente ao munícipe que, por vezes, procura em vão por um lugar onde possa desfrutar do seu necessário e legítimo lazer. Não é preciso incomodar os camelôs. Eles são um atrativo para que as pessoas de bem freqüentem o local. O que afasta as pessoas do Jardim Público é o consumo e o tráfico de drogas, a prostituição e os assaltos que, infelizmente ocorrem diariamente a olhos vistos. Uma ação preventiva e constante da Guarda Civil Municipal poderia resolver o problema trazendo a segurança que ora não existe. As companhias de teatro - como já o faz a Cia. Quanta -, as academias de dança, os escritores, os poetas, os músicos poderiam ocupar o Jardim Público, porque se isto fizerem, aqueles que para lá se deslocam com más intenções não mais encontrão ambiente e oportunidade para colocarem em prática suas idéias equivocadas e desprovidas de bom senso. Talvez até encontrem motivação para renovarem suas atitudes e a sua maneira de encarar a vida e assim, se tornarem pessoas melhores. Seria interessante que houvesse placas explicativas e legíveis, e guias preparados para informar as pessoas, as crianças, principalmente, o que significam aqueles monumentos, o coreto, a gruta escondida do leão, e também, para contar a história do local, muito bonita e palco de acontecimentos marcantes como os festejos da abolição da escravatura, que este centenário Diário tão bem retratou à época em suas páginas. Serve como exemplo bastante positivo a iniciativa do Grêmio dos Seresteiros que, aos domingos, ocupam com alegria, harmonia e descontração, o mesmo espaço que, durante a semana, é ocupado por aqueles que, infelizmente, ainda não encontraram nada de bom para fazerem de suas vidas.
O Jardim Público é o coração da cidade, um lugar bonito demais, importante demais para continuar como está. Idéias para revitalizá-lo e torná-lo de novo atraente à população existem e são muitas. O que se faz necessário, é arregaçar as mangas e colocá-las em prática. Com a palavra, as autoridades. E a sociedade rioclarense, porque a ela, pertence o Jardim Público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário