quarta-feira, 16 de setembro de 2009

SONETO PARA CAPITU


A força de vontade que falta para muitos gênios paparicados sobra para alguns daqueles talentos que fazem da arte uma forma de celebrar a vida, mesmo distantes dos holofotes da fama.
O exemplo do professor Pedro Pancher, 56 anos, da rede pública de ensino fundamental de Rio Claro, Escola Dijiliah de Camargo, é um exemplo não apenas de força de vontade, de amor à arte, mas do respeito que deve-se ter com todas as pessoas, independentemente da atividade que exerçam.

Ex-aluno do EJA (Escola de Jovens e Adultos), hoje formado em Pedagogia, antes Pancher trabalhara como pintor do departamento de trânsito de Rio Claro. Incentivado por amigos, há 6 anos retomou os estudos e hoje leciona alfabetizando as crianças.

Pancher participou com êxito do concurso promovido pela Editora Litteris. Com o soneto "Eu Trovador" concluiu o poema inacabado de Machado de Assis inserido no famoso romance "Dom Casmurro" e obteve o primeiro lugar, entre mais de 3000 participantes de todo o país.

O trabalho do poeta rioclarense abre a coletânea com mais de 100 trabalhos que compõem "Um Soneto para Machado de Assis" lançado na Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, pela Editora Litteris.



Um comentário:

  1. Isso sim que podemos chamar de vitória e realização. Nós, como pessoas temos condições de atingir os objetivos por mais complicados que pareçam, só que muitas vezes falta coragem, precisamos descobrir que muitas vezes o maior inimigo da gente é a gente mesmo.

    ResponderExcluir