quinta-feira, 12 de novembro de 2009

AVE CÉSAR!


Por que a imprensa brasileira insiste em chamar de ativista político um criminoso condenado em seu país a prisão perpétua pela autoria de quatro assassinatos é pergunta que ninguém responde.

Só mesmo um governo presidido por um presidente semi-analfabeto poderia compartilhar dessa tosca idéia. Um governo repleto de ex-badarneiros e vagabundos que se aproveitaram da política e da boa fé do povo para vender a falsa esperança de que, a liberdade de imprensa e, o direito ao voto resolveria a todos os problemas do Brasil. Nada mais queriam que o Poder. E, se naquele tempo, já o tivessem conquistado, fariam exatamente o que fazem hoje: beijam a mão de banqueiros e se deliciam com as benesses do Poder como o cachorro faminto lambe o osso do qual resisti em largar. Mas naquele tempo não havia tantos miseráveis e analfabetos, as pessoas eram mais responsáveis e mais cultas. Enfim, respeitavam-se as leis. E não se tentava burlá-las o que se tornou prática neste país, ainda mais quando participa do governo que não viu nada, não sabe de nada e não fez nada um ministro da justiça cujo único e honroso papel parece ser o de “apagador de incêndio” que, diante de um blecaute do setor elétrico que atinge todo o país, levando milhares de pessoas às dificuldades de toda sorte e terríveis constrangimentos vêm em público para dizer que tudo não passou de um pequeno incidente.

Agora a decisão sobre o destino do criminoso italiano Cesare Battisti está nas mãos do Supremo Tribunal Federal onde tudo pode acontecer. O julgamento foi interrompido quando quatro ministros haviam votado favorável à extradição e outros quatro votados contra.

O presidente do Supremo Gilmar Mendes já disse que não abre mão do voto.

O advogado de defesa – por mais que a razão recrimine alguém teria, por força de lei, que pagar esse mico – tem se empenhado em dizer que a comunidade internacional dos direitos humanos aguarda apreensiva ao resultado do julgamento porque caso seja favorável à extradição poderia servir de desculpa para instaurar verdadeira caça às bruxas aos ativistas políticos (nome pomposo este) espalhados pelo mundo.

Desagradar à comunidade internacional pode. Manter o acordo de extradição firmado entre Brasil e Itália não pode. Claro que não. Afinal, estamos falando de Brasil. Onde também não se pode cassar Renan Calheiros e Sarney. E tudo em nome da democracia, da moeda forte, do PAC feito de papel, da campanha da Dilma, da recondução ao Poder por mais quatro anos de um bando de ilusionistas, cujo maior feito, foi convencer a elite, sabe-se Deus com que argumentos – a mudar a postura e a atitude secular e permitir que as classes menos favorecidas tivessem miseravelmente aumentado o seu poder aquisitivo que lhes permitisse ao menos ter acesso ao famigerado pão e ao indispensável circo.

Na verdade, bem ao contrário do que parece nada mudou. A direita continua mandando no país. Apenas a esquerda é que passou a fazer o serviço sujo. Todos, digo, eles todos, saem satisfeitos. Battisti provavelmente continuará tomando banho de sol no Brasil – para o nosso orgulho – e nós continuamos sendo os mesmos otários de sempre. Afinal, gostamos disso.

PS: A máfia italiana, nos seus melhores dias, ao menos usava terno de grife e limpava os sapatos para cometer os seus crimes. O que prova que nem bandidos se fazem mais como antigamente.

Um comentário:

  1. Para quem pensa só um pouquinho é facil saber porque a terra brasilis está a Deus dará, e o fato de "nossos" governantes ter acolhido esse vagabundo assassino Italiano chama-se afinidade, sim meu caro, os afins se atraem, ou seja vagabundo atrai vagabundo, ele veio para o lugar certo que ele não e otário. Esse governo de piada que temos vai nos proporcinar vergonhas maiores ainda. Todos esses vagabundos do palacio do planalto que hoje fazem tudo o que diziam serem contra antes estão aí pra isso. Temos um governo que fala em democracia no entanto, é amigo do peito do Fidel Castro um dos maiores assassinos da história, falavam muito em apadrinhamente e conchavos, e eles são os que mais praticam. Não devemos esperar nada deles. Aqui em nosso país você não consegue um cargo importante numa grande empresa se não for formado, porem, pra ser presidente qualquer um pode se candidatar e ganhar, pode ter processos nas costas, ser procurado pela policia que tudo vale. Aqui é a casa da Mãe Joana mesmo!

    ResponderExcluir