quarta-feira, 2 de junho de 2010

ENTÃO, QUEM FOI?

Em julgamento realizado ontem no Fórum de Rio Claro, a Justiça absolveu o ex-vereador Fernando Godoy da acusação de mandante do crime que atentou contra a vida dos radialistas Sergio Carnevalle e Dalton Paciullo em 2006. Como fica agora Carnevalle que embarcou na acusação conduzida pela Polícia Civil e pelo Ministério Público convencido da autoria de Godoy disse em recente entrevista à um jornal local que faltara Deus a Godoy?
Caiu por terra a motivação política (Godoy era suplente de Carnevalle na legislatura 2004/2008) e, ao que parece prevaleceu a que sugere que Carnevalle teria dito o que não deveria.
Para alguns, Carnevalle, Paciullo e seus familiares ficará a impressão de impunidade, para outros, Godoy e os seus, a certeza de que se fez justiça.
Incompetência da acusação, eficiência da defesa. Um julgamento não é uma partida de futebol. Nessa história, reabrem-se velhas questões: 1) Quem então mandou matar? 2) Se é que houve mandante? 3) E se de fato houve, por qual motivo? E finalmente, quem disparou a arma de fogo naquelas circunstâncias, por que o fez?
Causa preocupação porque recentemente houve o caso "Marangoni", quando a polícia apresentou um suspeito e depois revelou-se que o mesmo era inocente.
Talvez, a pressa, a necessidade de dar respostas à sociedade, estejam fazendo com que os setores de investigação da polícia apresse indevidamente os seus trabalhos, tornando-o ineficiente.
Qual será o próximo capítulo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário