domingo, 29 de agosto de 2010

QUEM GANHA E QUEM PERDE

Não se iluda brasileiro. A eleição para presidência da república já está decidida faz muito tempo. Dilma ou Serra, ou qual dos dois for o eleito, eles é que terão ganhado a eleição. Ambos são apenas a ponta do iceberg. Um se presta ao serviço do vencedor e o outro o do perdedor. A globalização econômica, que faz os povos perderem sua cultura e identidade, o neoliberalismo, que massacra os pequenos empreendedores continuarão dando as cartas. Porque nem Dilma e nem Serra está comprometido comigo ou você. Mas com os banqueiros, as grandes corporações (cada vez maiores e mais ricas, mais influentes e mais egoístas). Eles são os donos da sementinha chamada dinheiro. E a cada ciclo por eles mesmo estabelecido, segundo seus interesses, escolhem um pedaço de chão (agora, o Brasil) para plantar a sementinha e colher os frutos e os dividendos.

Somos uma gente de boa-fé. Acreditamos em quem nos fala e faz o que gostamos de ouvir e ver. E eles sabem disso. Estudaram-nos por muito tempo, para compreenderem o que aqui funciona. Afinal, não precisariam mesmo estudar tanto. Porque aqui funciona mesmo o pão e o circo.
Depois de 03 de outubro, ganhe quem ganhar, eu e você continuaremos a ter crédito a perder de vista. E compraremos e nos endividaremos. Porque não temos bons salários e, portanto, poder aquisitivo. Mas temos crédito. E dívidas. E as teremos sempre e cada vez mais, porque esse é o jogo. É o que nos prendem a eles. Mas o que isso importa? Se eles nos oferecem pão e circo para o nosso bel prazer. Satisfazemos aos nossos instintos mais primitivos. E assim, com a barriga cheia e mil sonhos na cabeça, não precisamos e simplesmente nos esquecemos de nos esclarecermos, por exemplo, através da boa leitura, da boa cultura, daquilo que realmente presta. Porque estas coisas, minhas senhoras e meus senhores não chegam até o mar de gente chamado povo brasileiro. E quando chega, vem em migalhas de um pão já consumido por uma elite burguesa, egoísta e insensível. Que detesta gente pobre, feia e ignorante. E os despreza.
Agora me chamem de idiota, de arrogante e de cruel. A alguém caberia o desagradável e deselegante papel de dizer estas coisas. Se eu sirvo para isto, não sei. O fato é que escrevo, enxergo, admito a minha incapacidade de mudar sozinho e através da escrita esse estado de coisas. E, portanto, digo, nestas palavras toscas, quiçá, agressivas, entretanto, verdadeiras.
Você que crê na humanidade, esqueça o que leu aqui. Continue acreditando que este país é mesmo o coração do mundo e a pátria do evangelho. Pode ter sido em algum momento. Na boa intenção de abnegados que ainda crêem no amor e nos homens. Mas a França também já o fora. E nem ali, em meio ao povo culto e educado, a semente plantada prosperou. Há de prosperar em algum lugar. Aqui? Talvez. Vamos crer que sim. Ainda é tempo. Mas tempo é o que temos de menos agora.
Porque virão dias em que as forças da natureza, frente às quais nada pode o ser humano, haverão de separar o joio do trigo. E estabelecer uma nova ordem mundial. Não aquela que os poderosos de agora imaginam. Porque mesmo eles, apesar de todo o seu dinheiro e influência nada podem contra a força e a vontade quem vem do Alto. O Brasil, não tem a sua vocação na indústria como querem os que no Brasil mandam atualmente. Não se alimenta a miséria com motocicletas e celulares. Mas, O Brasil tem a sua vocação na Agricultura, com a qual pode alimentar a si e ao mundo. O Brasil pode matar a sede do mundo, devido seus rios e ao aqüífero guarani. O Brasil pode acolher e educar o mundo, devido à boa fé da sua gente, a tolerância e ao companheirismo da sua gente. O Brasil pode mostrar ao mundo o que é o amor, a amizade. Pode revelar a gente sofrida e descrente de toda a parte do mundo que Deus realmente existe e é Pai de todos nós. O Brasil, do povo brasileiro. Não de governos, sejam quais forem.
Por isso, as mudanças, não devem porque de fato não virão de governo algum seja qual for, porque eles não nos representam. E estão sob a influência das forças das trevas que não suportam a bondade que faz o forte levantar do chão o mais fraco.
As mudanças que representam a verdadeira revolução de comportamento, de atitudes, de ideias e ideais e bons sentimentos podem e devem vir do povo. Como a gente da França um dia imaginou e desejou que pudesse ser assim. O sonho de liberdade, igualdade e fraternidade não se desfez. Se estiver adormecido, não está ausente no coração dos povos que acreditam e lutam por esse ideal. Está presente. Em nós, brasileiros.
Não espere do seu representante político a mudança. Dele, ela jamais virá. A transformação, o salto de qualidade na sua vida humana e espiritual só depende de você. Faça você mesmo. Comece agora. Todos fazendo um pouco são luzes que se acenderão em cada coração e dissiparão as trevas que insistem em assombrar esse planeta. Tão azul, tão lindo, nossa casa, nossa mãe: Terra.

Um comentário:

  1. Huuum!! O carnaval vem aí de novo, que novidade, hein??!! Depois de alguns carnavais, vem a COPA. Ah, sim, as financeiras, os bancos,etc., estão cada vez mais gordos. Abs.

    ResponderExcluir