quarta-feira, 1 de setembro de 2010

AS COISAS DO SR. TEMPO

Alguém já deve ter se perguntado se o tempo tem sido o suficiente. Afinal, não raramente chega-se ao término do dia com a sensação de que de tudo que podia ser feito pouco ou nada foi feito.


Na vida profissional o tempo pode ser recuperado. Nas relações humanas, nem sempre. Hoje assisti a uma palestra em que se sugere que busquemos a reconciliação antes de perdermos o inimigo de vista. Porque se isso acontece, segundo a palestrante e, o livrinho que andei lendo, corre-se o sério risco de realmente transformar em inimigo aquele indivíduo que, por alguma razão, a vida, em toda sua sabedoria, colocou diante de nós em posição antagônica à nossa.

Inimigo: que palavra mais feia, que merece ser banida de nosso vocabulário.

Há quem prefira ter os seus inimigos por perto. Desconfie desse tipo de gente. Eles são capazes de tudo. Até mesmo de sorrir pra você e chamá-lo de amigo.

Passar bem.

Pessoas assim não sabem que o amor derrete o gelo e encurta a distância. Porque se soubessem estenderiam a mão e proporiam a paz.

Mas o que isso tem haver com o tempo? Tudo a ver. Porque o tempo continua contando do lado de lá. Se é que me entendem. Abandonam-se as circunstâncias, formas e conceitos da vida humana, mas a vida espiritual continua. Duvida? Pois não duvide mais. Procure se instruir. Esclareça a mente. Liberte-se do orgulho e do medo. E talvez você descubra um jeito de fazer com que o tempo de que você imagina dispor seja o suficiente para a realização das suas tarefas humanas. Que, por sinal, são muitas não é mesmo? Basta tirar o carro da garagem às 6 da manhã e atravessar de ponta a ponta a Avenida Visconde do Rio Claro pra que de repente você passe a acreditar que existe mais gente e mais veículos motorizados no mundo do que deveria. Porque a continuar tudo como está você terá todos os motivos para acreditar mesmo que seu tempo está se acabando ao volante de um carro que você ainda não pagou.

Tempo, pouco tempo, pouco tempo, tempo, pouco tempo, como diria Sechi, em seu momento overdose literária.

Acorde às 4 da manhã de uma segunda-feira. Repasse a sua rotina, olhando-se no espelho do banheiro. Cada tarefa do dia representa um tempo a menos pra você finalmente descobrir quem você é o que está a fazer neste mundo.

Já sei! És um pai de família, um profissional dedicado, um vizinho simpático, um torcedor apaixonado, um leitor vagabundo, um marido chifrudo (Isso não conta, todos são). Enfim, és de tudo um pouco, menos você. Porque amanhã, sugiro que ao invés de acordar às quatro, você acorde às três. E encontrará diante do espelho do banheiro as mesmas respostas. Faça isso todos os dias, acordando sempre uma hora mais cedo, e chegará o momento em que a esposa, os filhos, o vizinho e os colegas de trabalho (chefe não liga pra essas coisas) irão chamá-lo de louco. Aí então talvez você descubra quem é você e o que está a fazer neste mundo. Se der tempo, é claro.

De passeio você não está. Embora esteja de passagem. O problema, talvez você compreenda isso – se der tempo – é que na sanha de ser e fazer o melhor, e sempre, esquece-se de se olhar para o lado e atrás. Faça isso e verá que sempre existe alguém igual ou melhor que você. Pronto. O seu tempo é o mesmo que o dele. Duvida? Então lá vai: És a criatura que passa pelo tempo, e não o contrário, posto que o tempo é eterno. Que se presente é fato, passado é história, o futuro inexiste e assim há de ser sempre.

Aproveite o tempo, disse-me o garoto que desde os 14 anos gosta da mesma garota sem nunca ter merecido um olhar dela. Hoje ele tem 59 de idade, e ela também. Ele está numa cama de hospital, e ela toda sorridente, prepara o enxoval para a segunda núpcia. Ele não tem mais tempo. Ela tem todo o tempo do mundo.

Eu poderia lembrá-lo do time que perdeu o campeonato porque o árbitro da partida deu um minuto a mais de acréscimo.

Do trem que partiu antes da chegada do sujeito levando para os braços de outro a mulher amada que se cansou de esperar por ele e a terrível mania dele subestimar o tempo e a paciência dos outros.

Dê-me outros mil exemplos sobre o tempo e eu lhe darei apenas um motivo para que você valorize o seu tempo, cada instante. O tempo, ele é o caminho sem destino por onde percorre a sua vida.

Fotos ilustrativas: Web

2 comentários:

  1. Que lindo texto, um dispertamento em grande estilo, com direito a escolha, verdade é que, o tempo não devolve nada que perdemos.
    Estou feliz por tê-lo reencontrado e já te sigo.
    bjs.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo esse texto. Grande inspiração !
    O tempo tal qual o concebemos é uma ilusão, apenas a eternidade existe verdadeiramente.
    bjs

    ResponderExcluir