sexta-feira, 24 de setembro de 2010

O BRASIL QUE NÃO LÊ

O Brasil não lê os seus grandes autores. Não lê Machado, Amado, Ubaldo, Érico, Guimarães, Murilo, não lê Fausto, não lê Inácio, o Loyola, bem entendido. Não lê o Lima, não lê Drummond, já se esqueceu de Marcos, os dois, o Rey e o Plínio. Não lê o Graciliano, não lê João Antonio, e não conhece o Marçal, não sabe do Manuel. Não lembra mais do Nelson. Lê o Coelho que todo mundo lê. Mas estou falando de Literatura. Não sabe que Clarice não vive mais porque parou de escrever. Faz tempo. O Brasil sabe fingir não saber dos seus poetas. Não compreendeu a atitude do Nava, não consegue ler o Nauro, tolera o Mário, o Carlos, o Jorge, mas os guarda na gaveta, a última, as outras estão ocupadas porque lá está o Castro, o Bandeira, o Fagundes, o Guilherme, o Vinicius.
E não sabe, não lê, não lembra nem de um nem de outros, porque eles, os escritores e poetas não estão nas escolas, nas conversas entre pais e filhos, colegas de trabalho e vizinhos. Não há tempo nem interesse. Nem de uns e nem de outros. E eu me daria por conformado, se esse tempo e esse interesse fossem dedicados, por exemplo, ao Chico, ao Jobim, ao Roberto, ao Baden, ao Martinho, ao Renato, ao Edu, ao Moacir, ao Ari, ao Pixinga, ao Seu Adoniran, ao Cartola, ao Noel, ao Lalá... ao Bôscoli, ao Menescal. Mas não. Eles também não estão nas escolas, nos clubes, nas esquinas, nas conversas entre pais e filhos, colegas de trabalho e vizinhos. Porque não há tempo e nem interesse. De ninguém.
E é com dor, dor de verdade, daquela que dilacera o peito que se escreve algo assim. Porque é como falar de um corpo sem alma, é como tirar um retrato em negativo. Como pode um país conduzir o seu destino? Como pode pretender liderar o mundo um país que esquece, desvaloriza, renega sua própria cultura. Um país que atravessou o século 20 sem conseguir criar uma política de estado, de ação social que estimulasse a leitura e tornasse o livro um objeto acessível a todos, no preço e na distribuição. País que não lê é país que não pensa. E se não pensa não sabe decidir com a razão. E se não sabe decidir com a razão, não sabe votar. E se não sabe votar é porque entende a política como a entende o seu representante máximo. Ou seja: uma partida de futebol. Onde se busca a vitória a qualquer custo, onde o que importa é manter a liderança, a taça em mãos e não perdê-la. Onde uma revanche tem o sabor da vingança que só a conhece aqueles que têm o nefando prazer de se deparar com o seu oponente no chão, destruído.
Brasileiros, nós, em pleno século 21, somos pirilampos em torno da luz com dia e hora pra apagar. E uma das razões para que isso aconteça é porque não lemos. E se não lemos, não sabemos distinguir o peão da torre, e muito menos entender as regras do jogo. Assim, não jogamos o jogo. Quando muito batemos palmas e bebemos da vitória alheia, a vitória daqueles que diz nos amar, mas que em verdade nos repudiam. Bebemos e embriagamo-nos dessa vitória que não nos pertence. Embora dela necessitemos para continuarmos vivos. Afinal, eles sabem que somos movidos a ópio, pão e circo, ou seja, o lixo cultural que chega até nós todos os dias, a cada instante, pra sermos mais exatos por meio das tevês, dos jornais, dos sites e das rádios. Bastaria, entretanto deixar o jornal de lado, desplugar o site, desligar o rádio, e pegar um bom livro pra ler. Bastaria.

* Artigo publicado no Jornal Cidade Livre, edição de 28/set/2010 e no Jornal Diário do Rio Claro, edição de 03/04/out./2010. (pág.2).

4 comentários:

  1. Parabéns amigo !
    Muito bem colocado. Um país que se conforma com lixo cultural e esmolas, encabeçado por um governante que tem orgulho de ser filho de mãe analfabeta.
    Que exemplo temos ?...

    bjs

    ResponderExcluir
  2. JCostaJr, entramos na roda viva imposta pela celeridade da vida que se diz moderna, mas só acrescenta ânsias consumistas, cumprimento de metas, sobrevivência vazia. A barriga está mal alimentada na pressa que não sabemos porque temos e a consciência segue vazia daquilo que a alimentaria. Excelente texto como sempre.

    ResponderExcluir
  3. Uma dos motivos do Brasil não lêr, é o fato de se importarem mais pelo fato do Brasil ter ficado em 8º lugar da copa do mundo do que pelo Brasil ser o 85º no rank educacional no mundo. Isso sim é uma Desgraça!

    ResponderExcluir