terça-feira, 3 de maio de 2011

COMPOR E DECOMPOR. RECOMPOR.


Você acredita que alguém, imbuído de um espírito tirano e conquistador, é capaz de derrotar o maior inimigo que possui e deixar de exibi-lo como um troféu? Se sua resposta é sim, então, provavelmente, você acredita que Osama Bin Laden está morto. Eis a boa notícia. A má: você também acredita que Papai Noel desce pela chaminé a cada 25 de dezembro.   
Por que isso acontece? Uma das razões é porque o papel da mídia é servir ao Poder. Mas, quem é o Poder? São os políticos? Os artistas? Os esportistas? As celebridades? As pessoas que, de alguma forma, através da mídia, influenciam decisões, estimulam comportamentos,  interferem, enfim, nos destinos da sociedade?
Não. Em verdade você não os conhece, porque não os vê na mídia. Mas se já ouviu falar em nomes que fazem parte desse seleto grupo, dos Senhores Poderosos do Mundo, nomes como Rothschild, Morgan, e Rockefeller, por exemplo, você certamente sabe quem é que manda no mundo.
Saiba portanto, que a mente deles e, de mais alguns outros, os quais não encheriam os dedos das mãos, funciona assim: ganhar dinheiro, sempre e cada vez mais, e, conquistar tudo o que houver pela frente, às costas e aos lados, através do dinheiro. Lembre-se que o Poder é insaciável. Mas o que eles talvez não saibam ou não admitam é que uma vez tendo conquistado tudo à sua volta, o conquistador se volta para si mesmo. Ou melhor, eles sabem disso. Afinal, sabem tudo. Apenas não admitem, porque uma das mais contundentes características de quem é Poder é o orgulho.
Procure saber os reais motivos da Independência das 13 colônias, da escravidão no Brasil, do Crash da Bolsa em 29, da Primeira e da Segunda Guerra Mundial e da Guerra do Vietnã. Da invasão dos EUA ao Iraque e ao Afeganistão. E de o September Eleven. Bem, este você sabe. Afinal, tanto quanto a recente morte de Bin Laden, a mídia propagou aos 4 cantos do mundo o motivo para aquela tragédia. Leia-se: Terrorismo. Sim, terrorismo. É a primeira palavra que lhe vem à mente. Terrorismo. Propagado por quem? Ah, sim! Bem, eu acredito que você comece a perceber que uma das estratégias mais eficazes de quem é Poder é justamente fazê-lo acreditar piamente em algo que não existe, para que você não tenha os seus olhos e a sua mente voltada à realidade. Para que você não desperte do sono profundo desde que lhe convenceram, às vezes, à custa de martelo e prego, fogo e chibatadas que, existe um Deus que provê o homem, um Deus à imagem e semelhança do homem, e não o contrário.
No Passado, o medo, imposto pelas religiões. Hoje, os mecanismos de alienação, proporcionados pela, cada vez mais, excludente e penetrante indústria do entretenimento. Fábrica de sonhos.
Já lhe convenceram que falar ao telefone a cada minuto é primordial. Que estar conectado significa fazer parte do meio. E não estar significa exatamente o contrário. Fizeram mais. Mostraram para você que a vida só é bonita quando dentro de um automóvel você vê o mundo e as pessoas passarem ao seu lado. Ou quando se entorna garrafas e mais garrafas de cerveja, entre amigos, numa tarde ou manhã ensolarada. No século XX era assim com os cigarros, mas a conta começou a ficar muito cara para a $aúde pública de certos países poderosos. Então, eles compreenderam que estimular o consumo de cigarro era queimar dinheiro. E quando um filho, concebido e criado pelo Poder, começa a dar problemas, é hora de eliminá-lo. Porque assim funciona a mente dessas pessoas. Problemas não são resolvidos são eliminados. Exemplo recente: Osama Bin Laden.
Que gente cruel, mais desumana é essa você deve estar pensando. Que determina e manipula o que você vai comer e vestir, beber, e, enfim consumir. O que você vai assistir na tevê, no cinema, o que você vai ler nos livros, jornais e revistas – se é que se interessa por isso – que música irá ouvir. Pois saiba que eles não possuem nenhum bom sentimento senão para com os seus, nenhum objetivo senão manter ad eternum o que lhes favorece e o que lhes pertence.
Como é que eles, os homens que são o Poder construíram tal império? Bem, remonte à história. Ao Egito Antigo, ao Império Romano, às Dinastias Européias, ao Imperialismo Americano. Em todos esses períodos da humanidade eles já lá estavam a mandar. Eles já o eram.
Fazem o que é necessário para atingir aos seus objetivos. Escolhem entre os mais talentosos os seus representantes junto à humanidade como lhes convém. Através destes falam e escrevem, enfim comunicam de alguma forma o que deve ser comunicado, vendido sob rótulo inquestionável de verdadeiro e bom para convencer às massas, para lhes apontar uma direção, um destino, geralmente seguido pelas pessoas de boa-fé, a maioria, enquanto eles caminham a passos largos em direção ao que pretendem conquistar. Quando eles dizem: Siga por esse caminho significa que estão mentindo pra você. Que já estão anos luz de distância de uma corrida que você, leitor e todos nós, somos meros participantes e jamais vencedores. Lembre-se que você não faz parte do jogo. Não é o astro, o ídolo, o fora de série, o gênio escolhido por eles. Mas pode reverenciar esses astros, ídolos e gênios, e acompanhar a sua trajetória, geralmente efêmera embora apaixonante e delirante. Pode projetar neles as suas aspirações, a sua vida, tal como desejaria que ela fosse. Não porque de fato isso tenha realmente importância para você, espírito que é, mas porque eles o ensinaram desde o princípio que assim é que deve ser. Tal como fizeram com seus pais, avós e antepassados. E você paga pelo direito de viver essa ilusão. Paga o preço que eles quiserem. Porque eles sabem como convencê-lo. Afinal, está escrito na cartilha deles que são os sonhos a razão de viver, e que a fé transporta montanhas. Porque se estivesse escrito que tudo se conquista pelo merecimento, e o merecimento demanda oportunidade, esforço e trabalho, você, caro leitor e todos nós, estaríamos cientes de nossa realidade e seríamos de fato um grande problema para esses sujeitos, os Senhores Poderosos do Mundo. Seríamos realmente capazes de por abaixo toda a estrutura de poder por eles montada que para perpetuar depende de nossa boa fé e ignorância.
Por sinal, este cenário da relação entre idolatrado e idólatra, entre os que são e os que desejam ser, mas não podem, coincide com o conceito do esporte mais popular do planeta e com as luzes da ribalta, não?
Pois é. Lembre-se também, que, segundo a história bonita que fizeram chegar até nós apenas 12 apóstolos foram escolhidos. E que o número 10 é o número de Deus, porque Deus é o Alfa e o Ômega. O 1 e o 0. Ou seja, no mundo dos números, o começo e o fim. E esses, os de 1 a 10, são os que se sentam à mesa. O que vem depois é a criação do Criador. É o que está escrito. Ou melhor, é o que escreveram, para que você acredite nisto. Perceba que eu disse números. E números é o mundo dos que são o Poder. Eles, melhor que ninguém entendem de números e sabem para que servem os números e como usá-los ao seu favor.
Contudo, o que é o dinheiro senão números impressos com valor? O que é o crédito senão um número fictício, que só existe no computador que permite ao ser humano satisfazer a sua aspiração de Ter. Como você se sentiria se soubesse que de todo o propagado dinheiro do mundo, só 3% de fato existe em espécie. Os outros 97% só existe no computador das instituições financeiras. Causaria perplexidade, tanto quanto se você de repente soubesse que uma instituição financeira, a Union Bank Corporation, teria financiado o Partido Nazista. Sim, o próprio. Como? Ora, em uma operação, conhecida pelos criminosos como “lavagem de dinheiro”. É algo tão desolador como saber, por exemplo, que uma das avós de Adolf Hitler, teria trabalhado como governanta na mansão do Barão de Rothschild. De quem? Pois é. O que pensaria um inglês se alguém lhe dissesse que teria sido uma companhia ligada à família Morgan (qual?) quem vendeu o combustível para a Força Aérea Alemã arrasar a cidade de Londres, em 1940, durante a Segunda Guerra Mundial? Por que, aliás, aquela guerra existiu? Para atender aos interesses de quem? E quem lucrou com isso? Detalhe? A família Rockefeller, com suas empresas, teria lucrado com aquela maldita guerra algo em torno de 200 milhões de dólares à época. Pode até parecer pouco. Mas, atualize os números e verá quanto o titio Rock botou no bolsinho.
Percebe a relação?
Bem, há de se convir. Este é um cenário deprimente, um modo realista, porém detestável, repugnante de se enxergar e compreender a vida. Ou seja, somos todos idiotas, marionetes em um teatrinho, manipulados por meia dúzia de pessoas que brincam de viver.
Certo. E tudo isso é verdade. Mas não apenas isso. Há muito mais além. Há o aspecto religioso: Jesus é a salvação do mundo, o caminho, a verdade e a vida. Que lindo! Que Jesus? A que Jesus nos referimos? Ao Jesus inventado por eles, os homens do Poder? Porque este Jesus é apenas um híbrido de fatos relacionados a muitos outros personagens das mitologias, dentre elas, a egípcia, onde se encontra, por exemplo, Mitra, que, assim como Jesus, teria nascido em 25 de dezembro, de uma virgem, teria morrido num gesto de auto-sacrifício em benefício da humanidade e ressuscitado num dia de domingo.
Busque a verdade, conhece a verdade, e a verdade vos libertará. Não por acaso, alguém bastante conhecido e desprezado por nós, seres humanos, nos disse isso.
Exceto sua mensagem evangélica de Amor e Perdão (e não é necessário mais do que isso), nada mais se sabe realmente sobre Jesus, o Cristo. Os aspectos de natureza humana de sua existência são adaptações livres feitas pelos Senhores Poderosos do Mundo, através dos tempos, para, inclusive, justificar muitas das suas questionáveis e deploráveis atitudes, como por exemplo, As Cruzadas e a Inquisição, que de santa nada tinha.
Lembre-se que a Bíblia que chegou até nós, os seres humanos do Ocidente, é resultado das decisões tomadas no Concílio de Nicéia, em 325, que riscou do mapa, dentre outras coisas, a possibilidade do espírito reencarnar em outro corpo humano, após sua morte física, crença comum até então. E defendida através dos tempos por pessoas como John Huss e Giordano Bruno, que, evidentemente, acabaram cozinhados na fogueira. O Concílio de Nicéia, de caráter religioso, foi presidido por Constantino, imperador romano. Quem era Constantino? Como chegou a ser imperador romano? E com que objetivo? Os Senhores Poderosos do Mundo, melhor do que nenhum outro historiador sabe explicar. O Concílio de Nicéia, grosso modo acomodou os interesses do seleto e reduzido grupo de homens que se constituem o Poder. E satisfez as paixões meramente humanas dos parasitas da fé que dependiam da proteção dos Senhores Poderosos para continuarem gozando das bênçãos terrenas, das quais se acreditavam legítimos herdeiros, enquanto vendiam terras no Céu para os crentes, as pessoas de boa fé. E continuam a fazê-lo até hoje. Pasmem! E ainda que o cenário e a vestimenta e a história da igreja Romana tornou-se, por assim dizer, obsoleta, senão inverossímil.
Bom, mas como é que se vai de repente desmentir tudo aquilo que durante séculos foi propagado como a única verdade. Ora, adapta-se a história, aos tempos modernos. E eis que surgem os homens da fé inabalável, engalanados em ternos vistosos, postura altiva, voz poderosa, empunhando o livro sagrado, e entoando trechos criteriosamente escolhidos para satisfazer os anseios de satisfação humana, meramente humana das pessoas sem opinião própria. Sabem de quem estou falando, não?
Estes homens e estas mulheres, a serviço dos Senhores Poderosos, já atingiram a primeira etapa do Plano que era penetrar a mente falida dos seres humanos que se acreditam desprovidos de inteligência e de oportunidade. Que se acreditam, portanto, derrotados para a vida pelo fato de que foram ensinados a acreditar nisso desde que se conhecem por gente. A segunda etapa é substituir os políticos, esses vermes horrorosos, não é mesmo, que corroem a riqueza e a moral da sociedade.
Será o fim da democracia. O fim da liberdade. O fim de uma era. Já programada desde muito tempo. Surgirá então algo novo para a maioria das pessoas, uma espécie de fundamentalismo flexível da fé não mais em um Deus único, um Messias único, mas em um Governo único, uma Nova Ordem Mundial, como eles apreciam dizer através dos seus representantes, para o qual todos deverão obediência e gratidão, mais ou menos como já perceberam George Orwell e filósofos como Nieztsche.
Estamos irremediavelmente perdidos? Sim. E não. Sim, porque ao longo do tempo aceitamos essa situação, e pregamos numa cruz por assim dizer os homens de bem que tentaram nos despertar desse inconsciente, desse sono coletivo.
Mas, se considerarmos que eles, os homens que são o Poder são apenas meia dúzia, e nós, bilhões de seres humanos, então, veremos que é possível dar às nossas vidas e ao Planeta Terra, dar, enfim à humanidade aquele que é o seu verdadeiro destino. A liberdade, a igualdade e a fraternidade entre os povos. A paz e a felicidade que todos merecemos. Porque somos todos filhos de Deus. Porque há aqueles que olham por nós. Do Alto. São eles que nos ensinam a importância do amor e do bem. O valor imensurável contido em um sorriso, um instante de atenção para aquele que deseja compartilhar a sua dor, um abraço de uma amizade sincera e desprovida de interesse. Deles emanam todas as manifestações belíssimas da natureza humana e do planeta. Eles exalam o perfume da vida, irradiam a luz do Amor que transforma em perfeição tudo o que atinge. É uma luz que não cega, mas esclarece, e esclarecendo liberta. E libertando, coloca o ser humano no seu rumo, de encontro ao seu destino, que é a paz e a felicidade. São os homens de Bem do lado de lá. O outro lado da vida. Que se confunde com o nosso. O Exército da Luz de Miguel. O lar aconchegante de João. É um reino cujo castelo é feito de flores e não espinhos. Que do Alto se transpõe para a Terra, apesar dos Homens que se acreditam Poderosos. Porque a Terra é resultado desse Reino de Luz e Amor, cujo governador, rei, guardião, ou seja lá a denominação que se pretenda dar, é Jesus, o Cristo. O único.

Nota do autor: Este é o primeiro de uma série de artigos que pretendemos publicar sobre o assunto. Ao menos que alguém nos cale antes. O que, evidentemente, não será nenhuma surpresa se vier a acontecer.

Um comentário:

  1. Feliz em vê-lo escrevendo novamente, amigo.
    Agora de maneira tão desperta ! Parabéns por propagar a verdade e ser um instrumento da Luz.
    Abraço.

    ResponderExcluir