terça-feira, 10 de maio de 2011

UNS e OUTROS

Há quem diga que o triângulo é a síntese da Geometria perfeita, o que não ouso questionar, por motivos óbvios. Deus me livre. Mas, deduzo daí que um dia todos seremos quadrados. Explico.
É comum para nós que já atravessamos o portão dos 40 tecermos críticas, algumas vezes descabida, ao comportamento e às preferências dos atuais jovens e adolescentes, com as quais, evidentemente, não compartilhamos.
Mas, outrora, também não fôramos vítimas de tão injusta atrocidade – não é mesmo? – por parte de nossos pais, e professores, tios, tias e avós?
Adolescentes e jovens sempre deverão explicações à sociedade, porque estão à frente do seu tempo. A eles pertence o novo. E bom seria se continuássemos todos sempre jovens ou adolescentes. Seria? Evidente que não, pois estaria comprometido o equilíbrio e a harmonia necessários à perpetuação da espécie humana.
Filhos questionam pais, e, por sua vez, serão questionados por seus filhos. Daí estabelecer que um fato, um comportamento, um costume, uma tendência social ou cultural do passado seja melhor e mais interessante que qualquer outra do presente, é no mínimo pretensão.
A ideia que prevalece, entretanto, é que as coisas, o mundo e a humanidade, que conhecemos quando ainda crianças eram infinitamente melhor do que a de hoje. E isto talvez se explique porque para o bem ou para mal, aquelas coisas, aquele mundo e aquela humanidade foi o que nos acolheu, o que imprimiu sob rótulo de verdade e via de mão única, as nossas primeiras e mais marcantes impressões, estabeleceu os nossos conceitos, e formou o nosso caráter, determinando nossas preferências e costumes, porque, afinal, somos produto do meio em que vivemos, embora tragamos na mochila de nossa bagagem espiritual ideias e tendências inatas.
Vou ilustrar a dissertação. Nos meus 14, 15 anos, eu achava – desculpe o termo chulo, mas outro melhor não encontro –, o conjunto musical porto-riquenho Menudo, um pé no saco, daqueles bem dados, sabe. Mas as garotas da escola, da igreja, do clube, enfim... (é bom parar por aqui) adoravam. Exatamente como as garotas de hoje em relação ao (Deus me perdoe!) Restart. Bah! Eu disse. Não acredito. Ok. Respire fundo escritor. Isso. Três vezes. Porque ainda resta dizer: Dentre elas, as garotas, a minha filha. Depois conversamos Viviane.
Quando digo para Vivian que ela ainda terá 40 anos, ela ri. Ótimo. Vingança é prato que se come frio. Eu espero.
Porque hoje sou um pai quadrado, é bom que todos saibam. Tudo o que eu tento ensinar de bom e de correto para a minha filha dentro de casa, o mundo lá fora e a escola, desmente sem nenhum pudor.
Penso que isso ocorra porque para os governos, nós seres humanos somos estatísticas (e sabe aquela história bonita do papel aceita tudo né) e para o mercado somos consumidores, é o que somos.
As coisas não são feitas para durar. Precisam ser substituídas pelas novidades, porque as novidades são atrativas e estimulam as vendas. E atualmente na prateleira da sociedade humana se encontra tudo: ética, moral, dignidade, dentre outros.
Comércio. É o que também se dá com os valores subjetivos. Se a sociedade tolerasse um criminoso exercendo um cargo de prefeito ou presidente da república, ele logo se tornaria uma tendência, prática comum, natural. Não que eles não existam, os prefeitos e presidentes criminosos, mas pode crer que este sujeito ou aberração, como queiram, seria idolatrado e vendido com o rótulo de herói, tanto quanto Barrabás o fora pelos judeus sequiosos por condenarem o inocente Jesus, apenas porque Este incomodava e os trazia à realidade ao dizer a Verdade.
Pais e filhos, jovens e idosos, o que precisam é buscar o diálogo e aprenderem mutuamente.
As recentes pesquisas revelam que em breve espaço de tempo, nós brasileiros, seremos um país com elevada faixa etária em significativa parcela da população.
É preciso desde já buscar a harmonia do triângulo e rejeitar a exatidão presunçosa do quadrado. O triângulo tem a base estável e aponta para o alto. O quadrado aponta para todos os lados, sem rumo.
Precisamos buscar uma convivência salutar e amiga entre os novos e os antigos, conscientes de que ninguém é dono da verdade e que todos podem crescer e ser feliz juntos porque há espaço para todos.
Vivemos o frescor de um início de século, onde as ideias que suscitam o aperfeiçoamento moral do ser humano encontram respaldo. Aproveitemos o momento que conspira a favor. Façamos o bem prevalecer. Não dividamos mais nossas forças, jovens e velhos, unamo-nas. A disposição espiritual e o vigor físico de uns, a sapiência, a prudência e a experiência de outros. E o mundo será melhor. Porque, é bom lembrar: onde o bem se omite, o mal se instala.
Aos jovens, a certeza de que caminhar é preciso, sonhar é importante e estimula a vida, sem jamais esquecer que o tempo que se vive depois de jovem é infinitamente maior do que aquele que se vive enquanto jovem.
Então que seja um bem viver. Construído, porque assim é preciso, desde já. E nesse contexto, é indispensável o respeito e a valorização daqueles que aqui chegaram antes. E se existe alguma diferença entre uns e outros, esta é a única.

Nenhum comentário:

Postar um comentário