sexta-feira, 8 de julho de 2011

DIAS DE MENTIR

Tenho acompanhado pela Internet a repercussão da FLIP 2011 em Paraty. Observo a distância esse monte de escritores vindo sabe-se lá de onde, com seus livros empoeirados debaixo do braço e aqui, no Brasil, quintal da humanidade, publicados pra jamais serem lidos, pelos editores brasileiros sequiosos por dinheiro e gozo pessoal e nenhum comprometimento com a Literatura, porque, na verdade, receio que nem sabem eles o que isso seja. Porque acredito que jamais deram uma volta no Inferno.  Então eu me pergunto: Qual de nós irá sobreviver? Eles, que são feitos de isopor e argila? Ou eu e todos aqueles que, noite adentro e no mar revolto pelas tempestades humanas remam no barco dos excluídos e rejeitados, nós que somos feitos de carne, ossos e sangue? Quem irá passar pelo tempo? Quem irá permanecer?


"Dante uma vez um Inferno com a poesia, e eu escrevo sobre o Inferno que é a vida real de nossa época" - (Victor Hugo, escritor francês, - 1802 - 1885)

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Adoro seus textos! Acredito que entre o sonho e a realidade está a arte,mas entre a realidade e a arte infelizmente está o inferno em que vivemos!!!!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  3. Realmente são dias de mentira, onde o poder aquisitivo vale mais que o caráter, talento e dignidade.
    Beijos.

    ResponderExcluir