terça-feira, 5 de julho de 2011

OS GATOS NA TUBA

Há uma piada sobre uns caras de várias nacionalidades que conversando com Deus reclamavam das tragédias naturais que afetavam seus países e ao chegar a vez do brasileiro se expressar, este, todo satisfeito disse a Deus que nada tinha a reclamar porque no Brasil raramente ou quase nunca havia tragédias naturais de grandes proporções. Ao que o Chefe Lá em Cima respondeu: Então você não viu os políticos que eu mandei pra lá?
É triste admitir. E deprimente ter de escrever isto. Mas o problema do Brasil é moral. A tendência à corrupção, o maior mal que afeta o país, está em suas origens. Mais. Está em suas entranhas. Tá bom, DNA. Leiam os livros de Laurentino Gomes (1808, 1822,) já publicados e facilmente encontrados em qualquer biblioteca pública. É uma boa introdução para entender porque no Brasil as coisas sempre foram e são assim.
Para que haja corrupção, é preciso que haja corruptos, geralmente os políticos. E é preciso que haja os corruptores, geralmente alguns dos grandes empresários.
Os políticos, bem, eles estão todos os dias nos jornais, rádios, tevês e na internet. Até porque muitos deles são os donos dos jornais, rádios, tevês e sites de notícias. São facilmente identificáveis, embora nada compreensíveis. Eles se fazem de desentendidos porque confundir faz parte da estratégia deles aplaudida e aprovada pelos ignorantes. Infelizmente, a maioria de nós.
Agora, os empresários corruptos, ora onde estão eles? Talvez você os veja uma ou duas vezes na vida, com as mãos algemadas escondidas pelo paletó durante o tele-jornal das oito e meia. Saberá que eles passaram uma ou duas noites em uma cela isolada, desprovida de chuveiro quente, e comendo gororoba-marmitex, em alguma delegacia de polícia. Será mesmo?
Bem, o certo é que eles desaparecerão mais rápido do que surgiram para o grande público, digamos, de maneira constrangedora. Como se eles se importassem com o vexame.
Apesar das investidas hollywoodianas das autoridades policiais, nada mais que um esforço das autoridades para dar alguma resposta aos justos reclamos da sociedade, essas pessoas (se é que mereçam a denominação) conseguirão escapar das consequências dos seus atos ilícitos, porque no Brasil, o Sargento Garcia ainda não aprendeu a prender o Zorro. Desaparecerão das páginas dos jornais, dos noticiários do rádio e da internet tão rápido quanto surgiram, quando surgem. Sabe por quê? Porque não interessa à mídia expô-los ao ridículo. Porque são eles os maiores anunciantes dos grandes veículos de comunicação. E também de boa parte dos pequenos. Destinam as verbas publicitárias e inventam os “Caçadores de Marajás” e as lulinhas paz e amor e a Chica Bandeira do Planalto. Sustentam a mídia, enfim. E, portanto, dela se servem a bel prazer.
A quem reclamar? Ao Bispo? Não adianta. Estamos mesmo no mato sem cachorro. A solução passa por uma revolução social. Nada organizado, mas espontâneo, vindo de baixo para cima das camadas sociais, sem vínculo político, religioso ou coisa que o valha. Algo como “A Marcha da Liberdade” (http://www.marchadaliberdade.org/) Que se não é ainda o ideal pode vir a ser o começo dessa pretendida revolução. As pessoas indignadas fazendo pressão e se utilizando, por exemplo, das redes sociais, dos espaços públicos, dos meios legais para exigir uma mudança de comportamento desses indivíduos, políticos corruptos e empresários corruptores, que, sob o pretexto de se autodenominarem indispensáveis à nação lançam mão de prerrogativas as mais descabidas para alimentarem a sua doença: o desamor ao próximo como se fossem ilhas de indiferença, de orgulho e de egoísmo, a navegar por aí; e o desinteresse ao seu país, do qual apenas se utilizam sem dar benefício algum em troca.
Não raramente, vemos integrantes da polícia investigativa e preventiva reclamar que executam o seu serviço, ou seja, reúnem provas, prendem os corruptos, e a Justiça acaba por soltá-los, amparada nessa ou naquela lei que melhor convenha ao caso. País que tem lei de mais tem ordem de menos. Dona Justiça brasileira!  Mãezona, morosa e mais preocupada em garantir o direito de quem não respeita as leis do que daqueles que as respeitam ou se esforçam por fazê-lo.
Por que será? Seria porque os homens do paletó e da gravata, da toga, da caneta Montblanc e dos perfumes parisienses costumam jogar suas partidas de tênis, de pólo, de golfe aos finais de semana, em suas mansões ou clubes privados do qual fazem parte, com ninguém mais ninguém que os empresários corruptores?
Lembrando, empresários corruptores financiam campanhas eleitorais de políticos corruptos.
Mas que assunto chato esse! É mesmo. Concordo plenamente. E você leitor, inteligente que é, há de convir que o vírus letal da corrupção será inatingível e ad eternum em nosso maravilhoso país, enquanto o brasileiro, nós, nos preocuparmos com coisas importantes como a Copa do Mundo, o topete do Neymar, a vingança da Norma sobre o Léo e o estádio do Cúrintia. E deixarmos de lado, para amanhã, depois, depois... depois sempre, assuntos irrelevantes, não é mesmo, como a política, a educação e a cultura.
Porque governo nenhum no mundo gosta e trabalha por tornar o seu povo educado, culto, instruído porque este sabe enxergar o erro, apontá-lo, exigir o reparo ou mostrar como deve ser feito. Povo assim não precisa de governo. Portanto, não precisa de político, esses homens públicos.
Pagamos uma carga tremenda de impostos. Em tese isso deveria nos proporcionar saúde, educação, transporte, habitação, segurança pública de boa qualidade. Mas aí onde estariam os problemas, as tragédias, as desgraças que afetam os mais humildes, os desprovidos de melhores recursos? E são exatamente essas coisas que, acreditem, geram votos “de esperança” com os quais são eleitos os políticos para os cargos públicos da maravilhosa, inigualável, auspiciosa e bela democracia representativa. Mais conhecida pelos despertos do século XXI como a utopia dos bem intencionados.
Em contrapartida, o Estado cada vez mais coloca sobre os ombros da sociedade obrigações que são suas   porque dispõe de recursos gerados pelos realmente trabalhadores para cumpri-las. Já acontece com a educação e a segurança. E a mais nova investida é a revisão da lei que trata sobre a prisão preventiva. Uma aberração cuja única finalidade é esvaziar os presídios. Ou seja, toma sociedade que o filho é teu. E isso é apenas a ponta do iceberg. Algo pior vem por aí. Preparem-se.
Mas afinal você, caro leitor deve estar se perguntando: Tem jeito? Tem. Só depende de nós, os mortais. E isso talvez aconteça quando tivermos um pouco mais de amor por nós mesmos. E lembrarmos que um dia deixaremos este mundo. Mas a ele virão nossos filhos e netos e as gerações futuras.

Um comentário:

  1. Isso tudo só vai mudar no dia em que o povo perceber que unido, tem todo o poder. No dia em que deixar de ser imbecilizado pelos programas inúteis vinculados pela TV, verdadeiras lavagens cerebrais. Somente no dia em que o povo despertar, a situação poderá mudar.
    Parabéns pelo texto que desperta !
    Abraço

    ResponderExcluir