sexta-feira, 13 de abril de 2012

AINDA SOMOS OS MESMOS

Tudo passou
Nada se fez
A história é a mesma
Repete-se como sempre
Desde o fim
Que a tudo deu origem
Deitam-se as colunas
Levantam-se as barracas
O céu está cinza
E nesses anos todos
Nunca esteve diferente
E tão belo
É possível lembrar
Em cada detalhe
Forma e expressão
Cada aspiração
Cada caminho
Que se perdeu
E que não se fez
Dias de esperança
Tão longe agora estão
Que custa acreditar
Que um dia existiram
O vazio, aos poucos
Vai sendo preenchido
E nisto se revela
O perigo iminente
Sobe-se ao muro
Da consciência soberana
E observa-se inseguro
O lado de lá
À espera se encontra
E como será
No momento decisivo
Onde um esforço maior
Liberta
Feito um laço que se desfaz
Um pássaro que voa
Um passo adiante
E surge majestosa,
Toda a diferença
Impondo-se sem
Pedir licença
Tudo passou
Tudo retorna
Descobre-se então
Que apenas os dias
É que são outros

Um comentário:

  1. Considero que sempre seremos os mesmos, apesar dos pesares, pois cada um é o que é, uma individualidade, um ser unico, e o tempo, ah...o tempo, ele sim é o "Senhor dos destinos"...Parabéns pela perspcácia !

    ResponderExcluir