domingo, 29 de abril de 2012

NOVA PRODUÇÃO DO GRUPO KINO-OLHO É BASEADA EM CONTO DE ESCRITOR RIOCLARENSE


Por Édi Miller
Não há um só diálogo nos cinco minutos de duração do filme. O ambiente em que a cena ocorre mais sugere do que afirma. As palavras possíveis estão contidas em sinais, olhares e gestos.
As Algemas de Thomaz, curta-metragem produzido pelo Grupo Kino-Olho, e dirigido pelo cineasta João Paulo Miranda Maria é baseado na obra literária do escritor rio-clarense Geraldo J. Costa Jr.
O filme está disponível na internet e é possível assisti-lo acessando o link:   http://vimeo.com/40814105. O roteiro é da poeta, atriz e roteirista Fernanda Tosini, que, incansável, já trabalha em outro projeto, a respeito do qual mantém por enquanto sigilo absoluto.
No elenco, nomes de peso da arte dramática local, como o do ator Claudio Lopes (ex-Cia. Quanta de Teatro), que interpreta o personagem principal. Além de revelações como Thays Von Atzingen, Demetrius Camolesi, Lázaro Maciel e Benedito Gesse, e a própria Fernanda Tosini que assina a adaptação.
O que estava explícito no conto, afirma Costa, o João Paulo e a Fernanda transformaram em instigantes indagações, lançando sobre a obra um olhar que eu mesmo não tive ao escrevê-la. É a linguagem do cinema, feita de imagem e som, aprofundando, devastando, ampliando horizontes que a literatura restrita a palavra não alcança.
As Algemas de Thomaz integra a coletânea de contos e crônicas do escritor rio-clarense intitulada “A Tarde Demora a Passar” cujo lançamento está previsto para o segundo semestre deste ano pela editora Lexia.
Anos atrás, esclarece o escritor, deparei-me com uma confissão de William Faulkner em que ele diz textualmente: “A única responsabilidade do artista é para com sua arte. Ele tem um sonho que o angustia tanto que precisa se livrar dele. Ele não tem paz até que isso aconteça. Vai tudo por água baixo: honra, orgulho, decência, segurança, felicidade, tudo para se ter o livro escrito. Se um artista tiver que roubar a sua mãe, não hesitará”. Ora, era exatamente isso o que eu acreditava quando escrevi o texto há alguns anos. Hoje penso diferente.
No conto, o personagem principal Thomaz está convencido de que precisa de liberdade e solidão para escrever e para isso vai às ultimas consequências. No filme, essa convicção não existe, o suposto motivo para o desfecho da trama deixa de ser um e passa a ser muitos. A edição, feita por João Paulo Miranda Maria favorece esse labirinto de dúvidas e incertezas. O que fazem na cena do crime os outros personagens? Estão ali para acusar e condenar o criminoso ou para absolvê-lo e libertá-lo? Ou apenas como testemunhas oculares de um fato inevitável? E para Thomaz, o personagem principal da história, o que é liberdade? São perguntas e respostas para as quais, cada espectador encontrará a sua. Ou nenhuma, acredita Costa.
A roteirista Fernanda Tosini, admite que tentou ser fiel ao texto literário ao adaptá-lo, mas o cinema é algo demais surpreendente e sua linguagem dinâmica. À medida que se escreve o roteiro, e depois, com a sequência das filmagens as coisas vão acontecendo e se transformando. É preciso haver sintonia e comprometimento entre elenco, direção e produção para que a ideia inicial não se perca, mas, ao contrário, se desenvolva e ganhe novos contornos.
Costa não vê nenhum inconveniente nisso, ao contrário, estimula a criatividade que o cinema possibilita. Para o escritor, esse fenômeno é feito uma alma (o texto) habitando outro corpo (a imagem e o som).

Cinema Caipira
O portofelicense, João Paulo Miranda Maria, 30, começou aos 14 anos, desenhando quadrinhos, em Piracicaba. Ele conta que teve o seu interesse despertado para a sétima arte quando teve aulas na USP sobre roteiro de cinema para quadrinhos com um professor da área de áudio visual. Depois, foi estudar no Rio de Janeiro, aonde chegou a fazer estágio na Rede Globo. A ideia de formar o Grupo Kino-Olho surgiu da necessidade de se formar em Rio Claro um núcleo cinematográfico independente.
Em 2009, Miranda conquistou o prêmio Mobile Phone Movie Competition, concurso de filmes feito pelo telefone celular promovido pelo programa “The Screening Room” da CNN International.
Em entrevista para o mensário rio-clarense O BETA, em 2008, o cineasta declarou que pretendia fazer de Rio Claro, o seu ateliê cinematográfico. Não por acaso, idealizou o projeto Cinema Caipira, levado adiante pelo Grupo Kino-Olho, encabeçado pelo próprio Miranda. Além dos inúmeros filmes produzidos e disponíveis no internet nos sites de vídeos Youtube e Vimeo, o Kino-Olho edita periodicamente a Revista do Cinema Caipira que já atingiu a marca de 38 edições. Além de realizar oficinas de cinema com apoio da Prefeitura de Rio Claro, através da Secretaria da Cultura.
No período de 28 de novembro a 1 de dezembro deste ano, o Grupo Kino-Olho estará promovendo a 2ª. edição do Festival Internacional de Cinema Independente que tem como objetivo unir e divulgar realizadores independentes que realizem produções engajadas a partir de novas estéticas. O festival contemplará as melhores produções em cinco categorias: ficção, documentário, experimental, película 35mm, e curta Kino-Olho. Os vencedores estarão recebendo o troféu Chapéu de Palha. As inscrições que tiveram início em 02 de abril terminam em 31de julho. No site http://kinoolhofestival.blogspot.com.br/ os interessados podem obter mais informações.

Um comentário:

  1. Uaalll !! Pelo pouco que vi, gostei...Parabéns meu amigo por esse mais novo trabalho...

    ResponderExcluir