quinta-feira, 24 de maio de 2012

ILHAS


Não faça do seu drama
Bandeira para aspiração alheia
Não exponha a sua dor
Para o fel dos ignorantes
E o pranto dos revoltados
Caminhe só
Se o peso do mundo
O obriga a olhar para o chão
Evite o diálogo
Detenha-se no silêncio
Se o coração clama
Se a alma, chama
Ardente e inquieta
Respire e soluce
Sem que ninguém perceba
A cada qual a sua dor
Ilhas de amargura
Vagam pelo mundo
Porque assim é desde o início
E jamais será diferente
Porque este é o lema dos sábios
É a sina do chão que pisamos
Do horizonte que defrontamos
Cada vez que abrimos e fechamos
Os olhos,
Do corpo, e da alma.

Um comentário:

  1. Ilhas de Solidão...triste sina...resultado: aprendizado, evolução...

    ResponderExcluir