quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

SEJA FELIZ!


“A felicidade do homem não está nos bens que ele possua”. Como na maioria das vezes, quando Jesus disse isso, ele não fora entendido e muito menos aceito.
Mas, pense bem: Se você é daqueles que emburra porque o ônibus que o levará para o trabalho ou de volta para casa, atrasa cinco minutos, poderia perfeitamente ser aquele que reclama de ter que parar no posto de combustível para abastecer o seu automóvel.
Ter ou não ter dinheiro não determinará se você é feliz ou não.
Recentemente li uma vez mais o romance O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, que, entre outras coisas, conta a história de um ricaço que pra obter a atenção das pessoas precisa dar festas e mais festas, onde todos comem e bebem e dançam às suas custas.
Na verdade, isso não fica implícito no romance, mas é o que percebe o leitor mais atento, que o que Gatsby queria mesmo era ver se em uma dessas festanças por ele proporcionada aparecesse a sua doce e linda Dayse, o amor de sua vida, que ele acreditava ter perdido na juventude porque à época era um pobretão.
De certa forma, o modo de pensar de Jay Gatsby reflete o nosso, ou, pelo menos, a maioria de nós.
E fica mesmo difícil pensar de outra forma no mundo em que vivemos, onde apenas as pessoas bem sucedidas parecem adquirir naturalmente a admiração, o respeito e a preferência, daquelas outras pessoas que buscam a felicidade a qualquer custo, imaginando encontrá-las nas aparências sedutoras de uma exitosa vida alheia.
Os filósofos, boa parte deles, tentaram encontrar respostas ao que se refere à felicidade. Mas acabaram mesmo criando mais perguntas. Até por que, aprofundar nos assuntos, desdobrá-los, dar-lhes um novo sentido, uma nova causa, uma nova perspectiva, esse é o fascinante trabalho dos filósofos, com a ressalva de que consideremos neste caso o filósofo como aquele que pensa a partir de suas próprias convicções.
Você pode me fazer feliz, leitor? Não. E nem eu a você. Ainda bem, não é? Porque ser feliz só depende mesmo de nós. De cada um de nós. A minha felicidade está em mim. Ou não está. Ela não está em você, caro leitor, ou em qualquer outra pessoa, senão eu mesmo.
Talvez seja isso, o que Jesus quis nos ensinar. Se a minha felicidade depende de mim, então, depende do meu trabalho, do objetivo que eu estabeleça do meu esforço para alcançá-lo
E quando há uma sintonia entre o que seja felicidade para mim e o que seja para outra pessoa, é natural que haja uma aproximação, um envolvimento, entre eu e essa pessoa, entre ela e mim. A isso, dá-se o nome de amor, o estado do nosso coração e da nossa mente, ou seja, daquilo de que somos feitos, onde a felicidade, tal como nos seja possível, neste mundo, se realiza.

Um comentário:

  1. É isso ai, então, "bora" alcançar a nossa felicidade, Sejamos e nos Façamos Felizes cada vez mais,felicidade gera felicidade que gera amor, que contagia tudo a sua volta, e no fundo é isso que todos nós sempre queremos...rsrs...Adorei !!

    ResponderExcluir