sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

A CULPA É DA IMPRENSA


O presidente petista Rui Falcão parece desconhecer as razões mais econômicas e menos políticas que levaram ao nazismo e ao fascismo.
Afirma que setores do Ministério Público e a Imprensa interditam a política brasileira. É de se perguntar se ele acredita mesmo que o cidadão e, portanto o eleitor brasileiro, esse sujeito letrado, culto e bem formado e informado, se baseia, para ter opinião, naquilo que a imprensa, por exemplo, escreve. Ou se ignora a importância da atuação do Ministério Público, imprescindível para a manutenção da ordem e o cumprimento da lei, e perante a qual todos são iguais, em uma sociedade que se supõe civilizada.
E mais, que tipo de política, Rui Falcão imagina ameaçada? Seria aquela que torna possível a prática odiosa e destrutiva para o país da corrupção, do clientelismo, do privilégio com que são agraciados os membros do PT, seus aliados e bajuladores? E em última instância da supressão do espaço político e cultural e mesmo social de seus adversários, calando-os, colocando-os no ostracismo e , quando não, aniquilando-os lentamente e deixando-os morrer à míngua, prática bem típica de déspotas e regimes totalitários para onde caminha o Brasil, se nele já não se encontra?
Quando Rui Falcão rejeita o que entende como a nefasta interferência da Imprensa e de certos setores do Ministério Público, e pretensiosamente ensina que a oposição política se faz através dos partidos, cabe a pergunta: quais partidos? O PSDB, que é nada mais que a direita da esquerda?
A pá de cal em qualquer aspiração oposicionista neste país foi jogada quando o então PFL hoje denominado DEM, em 2002, se absteve de apoiar o então candidato da situação, o ex-ministro da Saúde e senador, José Serra. Por que se absteve? Seria por que o PT e seus aliados garantiram aos membros mais importantes e influentes do finado PFL a preservação dos seus interesses que, convenhamos nada tem a ver com os interesses legítimos do cidadão comum ou daquele que pensa ou aspira uma salutar e necessária à Democracia alternância de poder político, que poderia surgir a partir de um movimento oposicionista no Brasil, que, não existe e longe está de existir?
É tão grande o cinismo do presidente petista que chega a afirmar que a regulamentação da mídia é legítima porque regulamentaria a Constituição. Como assim? Certamente o ilustre presidente desconhece a participação decisiva que a imprensa livre dos Estados Unidos da América teve para a consolidação da Democracia naquele país. E aqui, no Brasil, para a sua redemocratização.
Rui Falcão dá a entender que um cala a boca, um chega pra lá, digamos assim, na Imprensa e em alguns setores do Ministério Público, justificaria perante a opinião pública o estado de corrupção sem paralelo na política brasileira que o seu Partido, o PT, instituiu, aperfeiçoou e disseminou com as graças do governo esquerdista e com as bênçãos do povo, satisfeito com as migalhas de um pão consumido e vomitado que esse governo federal espalha pelo chão para o deleite dos miseráveis e satisfação dos alienados, que com o pouco e com o nada se contentam facilmente.
Melhor faria o presidente petista se admitisse o óbvio: nós já vivemos uma ditadura esquerdista no Brasil, desde o governo FHC, quando foi implantada em surdina e com vaselina, me perdoem a expressão, com a conivência e indiferença, como sempre, da maioria dos brasileiros.
E estaríamos certamente experimentando uma situação deplorável de supressão da liberdade, semelhante àquela verificada nos países da cortina de ferro, em Cuba e na própria União Soviética, não fosse atuação da imprensa e do Ministério Público, que, apesar de todos os seus erros e contradições, continuam sendo a voz e o braço forte do povo.
Há, sem dúvida, um cinismo intragável bem típico de tudo o que vem do PT no infeliz discurso do seu atual presidente. Algo que se já se tornou rotina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário