segunda-feira, 11 de novembro de 2013

LÁPIS No. 2

Não estou no mundo para apontar caminhos
Mas para fazê-lo perder-se
No mar de incertezas, revolto, profundo, escuro
E se a ele sobreviver, encontrará a enorme, gigante montanha de dúvidas
Não vim para saciá-lo com palavras
Mas para afogá-lo com elas
No rio caudaloso, nervoso, e sem destino
Até que os pássaros adormeçam será noite
E o dia se faça com os raios de sol, nuvens em movimento, sol...
Que dizima a atmosfera inebriante da noite densa
Não estou aqui, ao teu lado para lhe dar as mãos, boas vindas
Não sem antes lançar-lhe um último olhar, derradeira súplica
Que tolos e poetas profetizam: despedida
Não vim atirar pedras ao vento
Elas não merecem tão desprezível destino
As pedras marcam a vergonha
Dilaceram a alma, para sempre
Dilapidam a mente, sem cerimônia, sem remorso
Dor...
Que duas ou três garrafas de vinho
Não fazem jamais esquecer
Vê?
Como tudo pode e nada faz sentido...
Bebam do meu sangue derramado neste ritual
Na terra bruta e pisada, pereça
Feche os olhos, longe se veja
Entorpecido de fé
Envolvido pelo medo
Que vozes em delírio
Vestes esvoaçantes
Em gritos lancinantes
De êxtase e alívio
Doze horas se passaram
E um minuto é o que se tem
Pra decidir
Entre fechar os olhos
Ou continuar
A contemplar
O horror da vida humana
Onde tudo se repete, vezes uma vez, duas vezes, vezes dez

Sempre

Nenhum comentário:

Postar um comentário