sexta-feira, 12 de setembro de 2014

COLISÃO

Quando éramos puros
E bailávamos feito folhas ao vento
Pelo espaço infinito e desconhecido
Inimaginável, inatingível
Não sabíamos o que era certo ou errado
E nem precisávamos disso
Livres, vivíamos
Ainda que fossemos tão somente
Uma ideia, um sopro da Criação
Uma aspiração
Mas, alguma coisa, de algum modo,
Éramos
E bastava
Não sabíamos o que era luz, nem trevas
Desconhecíamos palavras
Olhares nenhum nos atingia
Vivíamos no meio termo
Entre a matéria e o nada
Energia pura, incontrolável, éramos
E viajávamos no tempo e no espaço
Sem conhecer solidão
Dor não havia, medo se desconhecia
E tudo era belo, e perfeito
A natureza, qualquer que fosse, era parte de nós
Qualquer forma de vida em uníssono
Compartilhando umas com as outras
Livres, donas de si mesmo, partícipes do Universo
Em comunhão
Até que alguém disse sim
E outro, disse não


Nenhum comentário:

Postar um comentário