quinta-feira, 28 de maio de 2015

OS POLEMISTAS

Numa daquelas iniciativas inusitadas que se tem normalmente nas manhãs de sábado, passei pelo Gabinete de Leitura e vasculhando as velhas estantes deparei-me com duas preciosidades que logo tratei de levá-las para casa esperando com isso aplacar agradavelmente a solidão. A primeira delas, o tijolaço (no bom e no mal sentido) O Diário da Corte, compilação de crônicas de autoria do finado jornalista Paulo Francis (1930-1997), organizada por Nelson de Sá, com direito a posfácio do filósofo contemporâneo Luiz Felipe Pondé.
Diário da Corte, bem se lembram os saudosos leitores seus fãs, foi o título da coluna que Paulo Francis, então correspondente em Nova York escreveu para o caderno Ilustrada da Folha de S. Paulo durante os anos 1980, contribuindo para, segundo suas próprias palavras, desmistificar os EUA. Nessa coletânea de crônicas, Francis vai da Revolução Bolchevique ao caso Watergate, passando pela reafirmação do espírito liberal de 1776.
Sua facilidade em captar o espírito da obra dos escritores estadunidenses mais importantes da segunda metade do século XX como Gore Vidal, John Updike e Truman Capote, também ajuda a desfazer os mitos em torno de tais escritores. Sobre Gore Vidal, considerado por ele um aristocrático anarquista, escreve a certa altura em crônica publicada em 3/6/1984: “Vidal é o americano menos americano que já li. Não posso conceber maior elogio. Para americano”.
Reprodução
Não faltam também crônicas dedicadas a Lula, Collor e Brizola, sobre o qual relata em crônica de Dezembro de 1982: “É natural que um nacionalista radical e populista como Brizola se impacientasse com esse sistema corrupto”.
Mas Paulo Francis tinha uma paixão jamais correspondida, o teatro. Nelson de Sá, organizador de O Diário da Corte, deixa isso bem claro na apresentação do livro, ao afirmar que Francis, aos 23 anos, e morando a poucas quadras do coração da Broadway, estava ainda distante do jornalismo, era um apaixonado pelo teatro, seu horizonte era o palco, e seu objetivo era ser ator. Não por acaso, como toda paixão mal resolvida, Paulo Francis era capaz de, por exemplo, exaltar Cacilda Becker e comprar briga com Paulo Autran, devido às ofensas que dirigira gratuitamente à atriz Tônia Carrero em uma crônica de Outubro de 1958.
O segundo livro o qual tive o prazer de encontrar no centenário Gabinete de Leitura à disposição do leitor interessado em boas obras, foi o macio feito um travesseiro de penas, ao menos na aparência (calma lá que vem coisa, leitor) “O Livro dos Insultos de H. L. Mencken”. Quem? Henry Louis Mencken (1880-1956), talvez o maior polemista em língua inglesa da história do jornalismo, que destila fel e sabedoria, traduzidos pelo escritor brasileiro Ruy Castro, em artigos e crônicas, escritos principalmente nas primeira três décadas do século passado, e compilados como um testemunho à posteridade da visão bem pessoal, porém instigante sob vários aspectos que o visceral, demolidor e provocante Mencken (o diabo o tenha em bom lugar) tinha do comportamento humano. Vejam o que ele foi capaz de escrever sobre as mulheres, em 1921, na crônica intitulada Mulheres Fora-da-lei: “Nenhuma mulher normal tem um pingo de interesse pela lei, se por acaso a lei se puser no caminho dos seus interesses particulares. Antes, em 1918, já havia escrito: “Intuição? Uma ova! As mulheres são as supremas realistas da espécie. Aparentemente ilógicas, elas detém uma superlógica rara e sutil. Notem caros leitores, que essa colocação já havia despertado igual atenção e interesse em alguém que lera os mesmos insultos antes de nós, vez que grifou com caneta a passagem citada.
Mencken não era fácil, polemizava escrevendo com autoridade. Ruy Castro, tradutor da coletânea define bem o alcance disso em poucas palavras: “Nenhum outro jornalista nos Estados Unidos, antes ou depois dele foi tão lido com um temor sádico e com tanta adoração masoquista.
Para Castro, Mencken era um ímã para polêmicas, e sabia aproveitá-los. Em 1926, o New York Times, afirmou sobre ele: “O mais poderoso cidadão privado na América hoje em dia”. Os estragos que cometera na reputação de respeitáveis escritores como D. H. Lawrence e Dostoievski confirmam a tese.  Outros, porém, passaram a ser mais bem considerados e reconhecidos seus talentos a partir de críticas favoráveis de Mencken, como por exemplo: Henry Miller, Dorothy Parker, James Joyce e até Eugene O’Neil (que para Paulo Francis escrevia muito mal), lembrando que Mencken ao lado do crítico teatral George J. Nathan, editou duas revistas especializadas no período de 1920 a 1924.
Reprodução

Por acaso (talvez não) a orelha do livro Os Insultos de H. L. Mencken é escrito por ninguém menos que Paulo Francis, que, já ao final do texto assevera “Em pessoa, Mencken era mais conservador do que por escrito. Sua ideia de uma noite feliz era ouvir e tocar Brahms e Schubert, se bem que ele e Nathan (autor da frase “bebo para tornar os outros interessantes”) tomaram pileques homéricos enquanto riam dos outros. O mundo regrediu para a jequice de que ele tirou os EUA". Detalhe, Paulo Francis escreveu isso sobre Mencken em 1988, quando do lançamento do livro. Parece que o tempo não passou. Para nós.
*Publicado na edição No. 135 (Julho/2015) à pág. 4 do Jornal Aquarius.

Nenhum comentário:

Postar um comentário