sexta-feira, 14 de abril de 2017

NESTES DIAS, COMO NENHUM OUTRO



Nestes dias nos quais o mundo se torna tão pequeno, quando as pessoas se veem e se ouvem ainda que distantes. Dias em que o conhecimento está nos livros ao alcance de todos, na boca dos oradores empolados e senhores de si em seus púlpitos, nas páginas dos jornais, nos tablets, enfim, por toda parte, pergunta-se: Por que ainda caminhamos a passos de tartaruga? Por que tanto desinteresse, incapacidade para transformar todo esse conhecimento em sabedoria, que nos arranque do egoísmo, do orgulho tolo, inútil que nos cega. E a resposta é que o conhecimento, não se transforma em sabedoria, nenhum benefício nos traz, se o encarceramos na teoria, com a qual, ingenuamente imaginamos que podemos avançar na nossa difícil jornada de evolução espiritual. Todas as luzes possíveis ao nosso entendimento já se fizeram. Todos os caminhos já foram desbravados. Mas se não nos dispusermos à luta conosco mesmo, que só a vivencia dos fatos e das circunstâncias, e dos inevitáveis efeitos de todas as causas que gerarmos com nossos atos, nos proporcionam, não iremos absorver o conhecimento que já nos foi legado, portanto, não iremos transformá-lo em sabedoria, porque teorias não vividas, não experimentadas, por mais perfeitas se pareçam, são como livros que adquirimos ao longo da vida, e que se acumulam em nossas prateleiras, e que uma vez, fechados, estão mortos. – g.j.c.jr. – 14/4/2017