quarta-feira, 31 de maio de 2017

O BRASIL É DE TODOS?



Menos política mais administração. Ou seja, menos enrolação, mais trabalho. É disso o que o Brasil precisa. Há pessoas sem a menor qualificação, sem nenhum conhecimento da área pela qual são responsáveis, comandando os destinos do país. Isso se vê em ministérios, secretarias de governo, inclusive em âmbito municipal. Qual resultado pode se atingir senão a ineficiência, a falta de critérios e de cuidado com a coisa pública que só traz prejuízo ao Brasil. Conta essa sempre paga pelo povo.
 
Enquanto persistir essa realidade, entrará governo, sairá governo e nada irá mudar. Todos os anseios da população ficarão nas promessas dos candidatos, que, através dos seus marqueteiros, preparam em período eleitoral, um discurso que agrade em cheio às expectativas do eleitorado.

Sabe-se que onde o bem se ausenta o mal se instala. O mesmo vale para o mérito e a competência. Onde faltam ambos, prevalece o apadrinhamento, o quem indica, o interesse político-partidário, a estratégia da ocupação de espaços, visando o fortalecimento do grupo dominante que almeja permanecer no poder o tanto quanto possível, e, se possível, eternamente. Prevalece também a ineficiência, o desperdício do dinheiro, da riqueza gerada pelo povo, que, com grande esforço e, por vezes, sacrifício, paga seus impostos, suas obrigações fiscais, trabalhistas e previdenciárias.

Por causa disso é que jamais experimentamos a agradável sensação de que as coisas mudaram sim para melhor. Jamais tivemos a alegria de poder contar com saúde, transporte, educação e segurança pública eficientes, que correspondam às expectativas, e que justifiquem o esforço do contribuinte e a esperança do eleitor.

Quando isso irá mudar? Quando nós mudarmos. Quando adquirirmos a consciência do que é cidadania e exercê-la. Quando compreendermos que somos cada um de nós um elo da corrente. Quando valorizarmos o voto. E fiscalizarmos a conduta de nossos representantes, com o mesmo interesse com o qual acompanhamos o destino dos personagens nas telenovelas e a classificação no campeonato ora em disputa dos times pelos quais torcemos.

Essa mudança passa pela educação. Mas começa na família, com os pais, os irmãos mais velhos, os avós que tem por missão apresentar e desenvolver nos mais novos os valores fundamentais para o engrandecimento de um país, como a noção de direito e dever, de cidadania, de respeito pela coisa pública, que, ao contrário do que muitos imaginam, não pertencem ao grupo político que detém por outorga do povo o poder temporário, mas a todo povo, do melhor ao pior, do mais qualificado ao menos qualificado, do mais sábio ao mais ignorante. O Brasil é de todos, mas precisa ser de fato, e não apenas em teoria.

*Publicado no Jornal Diário do Rio Claro, edição de 31/5/2017, à  pág. ;
*Publicado no Jornal Tribuna 2000 de Rio Claro, edição de 02/06/2017, à pág. 7.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

UM PASSO ATRÁS

Não crie expectativas demasiadas em relação à vida, e se acaso criá-las, molde-as à sua realidade e às suas possibilidades. Seja honesto consigo mesmo; seja prudente, o que é uma virtude. - g.j.c.jr. - 26/5/2017

domingo, 28 de maio de 2017

FIDELIDADE: CUIDADO!



As crenças, as convicções políticas ou religiosas, por mais bonitas e bem intencionadas que sejam se, desamparadas da realidade, da plena consciência dos limites que separam direito e dever, podem levar os que as professam ao sofrimento e a destruição, porque conduzem ao fanatismo. – g.j.c.jr. – 16/5/2017

sexta-feira, 26 de maio de 2017

DIANTE DA FRUSTRAÇÃO



Absorva o impacto, armazene a informação, assimile a experiência; ela será útil, no futuro. – g.j.c.jr. – 23/5/2017
Reprodução

quarta-feira, 24 de maio de 2017

18/5 - MÓRBIDA COINCIDÊNCIA



A molecada que escreve sobre o assunto na imprensa comeu bola em relação a essa triste coincidência. Aliás, a esse pessoal, pelo que se pode observar falta um pouco mais de interesse pela História, indispensável para a compreensão dos acontecimentos. Eu sei que demanda tempo e trabalho. Perdôo. Mas indo direto ao assunto, o mês de maio parece ter alguma desavença com o rock. Vamos aos fatos:
Curtis
18/5/1980, o jovem Ian Curtis, 24 anos, vocalista da banda inglesa Joy Division, enforca-se em sua residência, interrompendo deliberadamente aquela que poderia ter sido uma das mais bem sucedidas trajetórias da cena musical. Adiantando o calendário dos acontecimentos: 18/05/2017, Chris Cornell, 52 anos, vocalista da banda Soundgarden, uma das melhores da atualidade, enforca-se em sua residência, pondo fim a uma bem sucedida carreira. Curtis e Cornell, além das iniciais dos sobrenomes e das datas idênticas de seus falecimentos, nasceram no mês de Julho.
Cornell
O primeiro no dia 15, o segundo, no dia 20. Julho parece ser mesmo o mês das tragédias. Entretanto, interromper a vida continua sendo para alguns, a ilusão de se verem livres dos seus problemas. Quando, em verdade, ocorre exatamente o contrário. Do outro lado da vida, os problemas se agravam, ganham uma dimensão ainda maior e parecem ser – aí sim – insolucionáveis. Portanto, se essa idéia infeliz já lhe ocorreu, surge vez em quando, ou parece seduzi-lo, fuja dela, evite-a a todo custo. Dedique-se a algum trabalho, alguma atividade, ocupe seu tempo com coisa útil. Já diziam sabiamente as vovós: Mente vazia é oficina do diabo. Preenche o seu tempo, a sua mente, a sua vida com alguma coisa que lhe traga benefício. E tão bem se sentirá que, certamente, desejará compartilhar a proveitosa experiência com as demais pessoas. A humanidade agradece. – g.j.c.jr.

AJUDEMO-NOS!



Antes de reclamarmos da eficiência alheia, observemos a nossa, se ela corresponde às nossas exigências e expectativas. As pessoas que demonstram inaptidão para determinadas tarefas, devem ser compreendidas e ajudadas, antes de serem criticadas e julgadas aleatoriamente, sobretudo, se demonstram interesse e esforço em melhorar-se naquilo que fazem. Atrás de uma atendente em dificuldade com sua tarefa, pode haver a esposa, a mãe, a filha, a irmã, a neta, como única provedora, naquele momento, dos recursos financeiros da família; pode estar a pessoa doente, que faz grandes esforços e sacrifícios para manter-se no emprego e, assim, ganhar a vida honesta e dignamente; pode estar a aprendiz, lidando com as primeiras experiências da sua nova rotina de trabalho. Enfim, não nos esqueçamos que, neste mundo, ainda imperfeito, somos todos aprendizes, lutando para superar nossas limitações, aprimorar nossas qualidades e eliminar nossos defeitos, podendo, entretanto, nos ajudarmos uns aos outros, ao invés de nos destruirmos. – g.j.c.jr. 23/5/2017