segunda-feira, 15 de maio de 2017

A REGRA COMO ALIADA



Dê você o nome que quiser, caro leitor. Seja ele Deus, Javé, Gadu, ou coisa que o valha. Mas, se deixar o orgulho besta de lado, e fazer como o iluminista Voltaire, e perder alguns segundos do seu precioso tempo, para observar a natureza e facilmente chegará à conclusão de que existe sim uma inteligência suprema, causa primária de todas as coisas à frente de tudo o que há sobre a face da Terra e acima das cabeças dos homens.
Reprodução Web
Mas, se você acha que observar a natureza demanda atenção e tempo além daquele que pode dispor, então, perca ao menos um segundinho para tomar conhecimento dessa informação, se já não a possui, numa época como a nossa, em que professores são sumariamente dispensados de suas funções em nome do famigerado Dr. Google. Lá vai: 100 trilhões de células compõe o seu, o meu, o nosso corpo humano, dando forma, cor, conteúdo, enfim, vida; em abundância e constante renovação e aperfeiçoamento, ainda que isto seja para todos nós, algo imperceptível. Quem prova ? A Ciência. E se tudo isto é obra do acaso, arrisco a dizer, então, que temos de mudar o nome de Deus.
Se o assunto lhe interessa sugiro que vá pesquisar sobre temas relacionados como: Sequência de Fibonacci, espiral e proporção áurea.
Para tudo há uma regra estabelecida pela inteligência que deve ser seguida. Se o pedreiro errar a proporção dos elementos que compõe a massa, certamente a edificação ficará comprometida.  O mesmo vale para o quimíco do laboratório farmacêutico, sempre a um passo de transformar remédio em veneno, e vice-versa.
A regra, ao contrário do que preguiçosos e indiferentes com o progresso humano imaginam, facilita a vida ao invés de complicá-la. Quem não obedece às regras da atividade que desempenha está destinado ao fracasso. Ao menos que seja um gênio (mas quantos de nós o são ?) para transgredir a regra vigente e estabelecer outra, de resultado ainda melhor.
Isso não vale apenas para as questões práticas da vida. Vale igualmente para as questões sentimentais, ou emocionais, como queiram. Experimente, arrumar um filho antes do casamento e da formatura, pra ver como tudo ficará muito mais difícil. Porque a regra diz: namore, se forme, case, arrume emprego, moradia e só depois então, contribua para a perpetuação da espécie. Os governos agradecem. Ao menos aqueles que trabalham para o progresso e independência do povo e não para torná-lo refém de promessas jamais cumpridas.
Estes são alguns exemplos, apenas, mas que já servem, presume-se, para ilustrar o que se pretende dizer: não mije para fora do pinico ou caberá à você e mais ninguém limpar a sujeira que fizer na sua própria vida. Isto se você tiver um pingo de dignidade e honra, virtudes que fazem parte da regra observada por todo homem de bem.
*Publicado no Jornal Diário do Rio Claro, edição de 18/5/2017, à pág. 2.

Nenhum comentário:

Postar um comentário