sexta-feira, 2 de junho de 2017

ESTA É A VIDA!



Talvez o que há de pior nesses tempos atuais é que as coisas não se completam, as histórias não terminam, a morte é adiada, uma estupidez, porque a morte é soberana e inevitável; a justiça não se faz, e o amor não se realiza; as pessoas não sabem o que querem; pretendem ser muitas coisas, tudo o que jamais serão, e não se importam se debaixo do verniz da hipocrisia de cada um tudo é madeira, algo sabido, desde tempos imemoriais, jamais, porém, admitido, somos orgulhosos, egoístas e fazemos disso as nossas ferramentas de autodestruição.
Reprodução
Anuncia-se com luzes, câmera, ação, sorrisos, muitas cores, luz neon, todos os dias, a todo instante, aos quatro cantos, o que jamais será confirmado. E tudo isso cansa. E faz desistir. Ótimo! Ponto pra eles. É o que querem. Que percamos nossas referências, que desconheçamos novos horizontes, que ignoremos novas possibilidades; que, aos poucos, vamos desistindo, tombando pelo caminho, apodrecendo, morrendo, de inanição, todos iguais, padronizados, prestem atenção, porque a fé já não alimenta a chama da esperança dentro de nós, que nos fez seguir adiante, chegar até aqui, aos pedaços, arranhados, machucados, fraturados, sedentos, famintos, mas chegamos, carregando na mochila da vida muitas experiências que nos serão úteis em algum momento.
Querem-nos todos iguais, olhando na mesma direção, vivendo as mesmas emoções, falando a mesma língua, vestindo as mesmas roupas, pensando, sentindo, vivendo do mesmo modo, de joelhos; mãos estendidas, suplicando-lhes perdão, pão, e água, emoção.
Talvez o que há de pior nesses tempos atuais, é a nossa covardia, a nossa falta de ousadia, coragem, destemor, de chutar a porta, esmurrar a mesa, dizer: Basta!
Nesses tempos atuais, os livros nos fazem mal, as canções irritam, os filmes testam a nossa paciência, as promessas nos acomodam, esperamos que venha do Alto a força que já existe em nós, pois do Alto viemos. Mas não querem que nos lembremos disso, de que tudo podemos. Querem que continuemos adormecidos, dependentes de ilusões que nos estagnam e nos destroem, pouco a pouco.
Se dissermos não a tudo e a todos que nos escravizam levantaremos do chão, despertaremos, faremos nosso próprio caminho, cada um de nós. E nos descobriremos felizes, sem precisarmos deles, e de nada. Somos livres!

Nenhum comentário:

Postar um comentário